Colaboradores:

A idéia das Residências Terapêuticas, era devolver a liberdade de escolha


“A idéia das Residências Terapêuticas, era devolver a liberdade de escolha, quando chamamos terapia da liberdade, que o individuo era privado de todos os seus direitos, ele passa ser dono do seu destino, pode circular na comunidade, fazer parte desta comunidade, e conquistar sua liberdade, que foi retirado dele nestes anos todo em Hospitais Psiquiátricos.

E agora são casas locadas na cidades, onde pacientes psiquiátricos viviam em Hospitais Psiquiátricos, vão para estas casas morar, e nesta casas tem cuidadores, que fazem trabalho de isenção social, junto com estes moradores.

O projeto tem uma média de internação dos nosso ex pacientes psiquiátricos em torno de trinta anos, você pode imaginar estas pessoas foram privadas, de abrir uma geladeira, de conhecer um carro, de poder escolher sua comida, de poder escolher seu horário para tomar o seu banho.

Eles foram privados uma vida inteira, este projeto na verdade tem onze anos de existência, no inicio foi muito complexo, porque a gente imagina, que o louco não pode conviver entre nós, mas a cidade começou a entrar no projeto, a cidade começou a fazer parte da vida deles.

Pessoas da comunidade começam a trabalhar nas Residências Terapêuticas, começa a multiplicar este saber, e o que é este saber, nós todos somos iguais é possível conviver em sociedade, é possível conviver juntos, e temos que entender as limitações de cada um.

A doença mental não da em arvores ela da em gente, expectativa de vida dentro de uma Residências Terapêuticas é pelo menos quarenta por cento maior.

A própria cidade faz saúde, não é a questão de ter medicamentos ter grandes profissionais, e sim de poder relacionar de poder conviver, é poder deixar de morar em uma enfermaria com 150 pessoas, sendo espancadas, sendo tirados todos seus direitos, sexuais, psicológicos, em fim, é poder viver em uma casa, eu acho que é um grande momento, que todo mundo possa mudar o olhar, é possível viver em sociedade, se tenho um vizinho, quem será este vizinho é um vizinho novo, vem de onde, este que é o olhar” concluiu Rodrigo Japur ( Dir. Núcleo Est. Saúde Mental da cidade de Carmo RJ).

Parabéns Rodrigo Japur e Equipe vocês são 1.000

Video: Youtube

Por Adriano Teixeira

Tags: